FOTO DIVULGAÇÃO PREFEITURA DE PARAMIRIM

O temor de que o município de Paramirim a partir de 1º de janeiro de 2017, teria pela frente dias nebulosos e incertos, vem se confirmando a cada ação equivocada da atual gestão. O autoritarismo político, aliado a inércia, desorganização e visão limitada ao governar, são alguns dos fatores que contribuem para a decepção da maioria da população.

Fortes indícios apontam para uma evidente conspiração envolvendo o chefe do executivo municipal e diversos comandados na área de educação, que mesmo conscientes da presença e das ações já desenvolvidas por pessoas do bem, filhos da terra, que já prestam serviços à população, tanto no âmbito social, como em capacitação profissional e pós-graduação, apesar de terem ciência de todas as etapas percorridas por essas pessoas no sentido de instalar em Paramirim uma universidade, numa manobra inexplicável, tentam atrair outra empresa da área. Isso tem sido visto pela maioria, não como alternativa, uma vez que apesar da carência, essa região não possui demanda suficiente para duas universidades.

Segundo pessoas ligadas à área, que acompanham com entusiasmo as preparações para a instalação do Campus Universitário do projeto pioneiro, cujo terreno já foi disponibilizado por um empresário local. Essa atitude do poder público municipal é no mínimo covarde e claramente visa inviabilizar a chegada da primeira faculdade do Vale do Paramirim. A iniciativa de convidar uma “concorrente” torna explícito o recalque, evidencia a tentativa de se roubar uma ideia. Uma fonte idônea, alerta para a real possibilidade de que através de atitudes rasteiras, os incomodados com o já vislumbrado avanço da ideia original, sob o pretexto de “parceiras para a educação”, tenham adotado comportamento repugnante externando a verdadeira face de uma gestão pobre em criatividade e recheada de rancor.

É dispensável nesse instante reafirmar a admiração e respeito da população para com o filho da terra que empunhou essa bandeira e empreende esforços para que dentro em breve, esse sonho se torne realidade. Empresário da área de educação que há mais de 20 anos, conhecendo a necessidade de milhares de jovens desse sertão, formata com carinho um dos mais belos projetos vislumbrados por essa região – a Universidade presencial, com excelência em educação, que preencherá uma lacuna em território até aqui esquecido.

FOTO DIVULGAÇÃO PREFEITURA DE PARAMIRIM

Evidente que, isso seria uma obrigação do governo, mais que legítimo seria o esforço para que o Vale do Paramirim recebesse uma Universidade pública e gratuita. Porém, além de se constatar que nas atuais circunstâncias tal acontecimento não encontra amparo, já que convivemos com o sucateamento das instituições públicas. Até então, ninguém ousou pensar uma alternativa possível de contemplar a nossa população regional com educação superior de qualidade. Intrigante que somente agora, após concebida a ideia, empunhada a bandeira pelo ilustre profissional, exemplo de homem do bem, referência de humildade e sensibilidade, apareçam lobos em pele de cordeiro, que simplesmente não convencem ao afirmarem almejar melhores dias para os seus e tornam-se motivo de piada ao tentarem embarcar no bonde em movimento.

Uma postagem que circula nas redes sociais e na página oficial do município, apesar de não surpreender, causa imenso REPÚDIO. Difícil acreditar que homens hoje responsáveis pelo destino de Paramirim, gente que conhece de perto as dificuldades, as decepções de jovens e adultos que com sacrifício concluíram o ensino médio e nunca sequer imaginaram uma remota possibilidade de cursarem uma faculdade, muito menos especialização, sejam os protagonistas de ações desprezíveis, no intuito de perseguir e tentar prejudicar os projetos educacionais em andamento para beneficiar a nossa comunidade.

Inibir uma verdadeira revolução sócio/econômica e educacional em todo o Vale do Paramirim, é a forma mais ridícula de expor todo recalque, revanchismo e os mais baixos e venenosos sentimentos. Em isso se confirmando, torna-se cristalino o ódio, a insegurança pessoal, uma vez que o projeto inicialmente implantado, não possui qualquer viés político. Seriam eles capazes de assumirem a inépcia de acolher e apoiar de forma incondicional, não somente as ideias em andamento, como também de tentarem perseguir a um conterrâneo que nos dias atuais, possui a condição de tornar esse sonho real?

Independentemente do que ocorrer, a semente foi plantada, nasceu, tornou-se árvore frondosa na mente de cada um dos moradores que observam centenas de famílias contempladas com o CEJUSC, órgão do Tribunal de Justiça da Bahia, implantado no município através do esforço desse filho ilustre que hoje é vítima de tamanha injustiça e  que em pouco tempo de existência, colabora com a garantia de direitos, formaliza atitudes coerentes quanto ao cumprimento das obrigações legais, promove o diálogo, restabelece a paz, enfim, tem colaborado de forma decisiva na dissolução dos conflitos sociais, não somente de Paramirim, Érico Cardoso, Rio do Pires e Caturama, como também, inspira os demais municípios que, ao tomarem conhecimento, também desejam possuir tais serviços.

FOTO DIVULGAÇÃO PREFEITURA DE PARAMIRIM

Pós-graduação presencial em Paramirim? Hoje uma realidade, pois, Paramirim conta com a oferta de pós-graduação de qualidade, elogiada por todos os que tem a oportunidade de cursá-la, coisa antes inimaginável, na opinião de pessoas de ideias e ideais tão retrógados quanto a gestão sombria a qual representam.  Triste ver a nossa Paramirim em tão lamentável retrocesso. Inacreditável presenciar toda a cúpula do governo municipal, incluindo segundo e terceiro escalões da área de educação, trabalhando pela desconstrução de projetos de um conterrâneo. Para a população regional, esse filho da terra é um homem que venceu lá fora, através da educação e aceitou o desafio de tornar real o sonho de milhares de jovens. Esse educador tão empenhado na vinda de uma faculdade para o Vale do Paramirim, somente pela iniciativa e coragem, merece um busto em praça pública, homenagens e todo apoio possível e nunca tamanha punhalada pelas costas.

O Jornal O Eco, porta-voz dessa região, veículo de comunicação que sempre se orgulhou da sua idoneidade e compromisso social, estando há mais de 20 anos em constante luta na defesa dos interesses da população regional, não poderia se calar diante de atitudes abomináveis, que atestam covardia. Em se confirmando estes espúrios propósitos, teremos a certeza de que essas pessoas, hoje buscam prejudicar uma ideia que nunca tiveram. Daqui em diante, aguardaremos o desenrolar dos fatos, que irão confirmar ou não tão desprezíveis ações. De qualquer forma, fica registrado o nosso REPÚDIO!

Samuel Rodrigues de Lima – Jornalista – DRT/BA 0005232

Compartilhe... Share on Facebook46Share on Google+0Tweet about this on TwitterPin on Pinterest0Share on LinkedIn0Print this pageEmail this to someone