O município de Paramirim, terra que até bem pouco tempo era tida como referência em diversos aspectos para a microrregião, vive hoje um clima de insegurança administrativa, que ao final do primeiro ano da nova gestão municipal, amarga índices decepcionantes no comércio, infraestrutura, saúde e até na educação as críticas e insatisfação de alunos, pais e servidores ganham as ruas. Triste realidade para uma cidade que há décadas era ponto de convergência, detendo fortes expetativas, hoje se vê estagnada, vivendo dias incertos.

Evidente que não se pode culpar a administração pública por todos os atuais problemas do município. No entanto, também é verídico que, na maioria dos municípios de pequeno porte situados no perímetro do sertão nordestino, a maior alavanca de desenvolvimento, emprego e renda, infelizmente é a prefeitura, sendo a principal fonte de recursos que circulam na economia. Daí os efeitos trágicos que uma gestão equivocada pode causar à coletividade. Acompanhamos em nosso cotidiano jornalístico, a evolução de dezenas de municípios vizinhos, sendo verificado que cidades menores, cujos gestores estreiam na vida pública, superaram Paramirim em volume de obras e serviços à população ao longo desse primeiro ano.

A difícil situação pela qual atravessa a população de Paramirim, está relacionada a uma série de desajustes administrativos. Postura incompetente de uma equipe que em grande parte, foi importada de outros cantos, além de “convidados estranhos”,              que até o final do primeiro ano, ainda não se encontraram no desempenho das suas respectivas funções. Críticas e denúncias começaram a surgir nos mais variados setores, desde os primeiros dias, se agigantando com o passar dos tempos, enquanto a população incrédula, assiste a cenas lamentáveis protagonizadas pela atual administração. Atos insanos que vão desde o desrespeito, afronta a pessoas humildes, até deficiências graves em vários setores e serviços à exemplo do atendimento de saúde que hoje preocupa a região.

Além do desaquecimento do comércio local, a estagnação da economia, em virtude da crise financeira, aliada à ausência de investimentos de vulto por parte do poder público municipal, ações desencontradas, direcionaram Paramirim ladeira abaixo. A comunidade estupefata com tais fatos nunca antes imagináveis, protesta nas redes sociais, reclama nas rodas de conversas, externam arrependimentos de terem, em sua maioria, colaborado através do voto, para colocar no poder um político em fim de carreira, que, infelizmente, protagoniza ações de difícil absorção. Mesmo ainda no seu primeiro ano, o mandato do atual prefeito do município já é considerado um dos piores da história recente de Paramirim. As festas populares por exemplo, que antes eram referência e garantiam além do lazer que é direito do cidadão, o aquecimento da economia local, hoje são realizadas de forma medíocre e desorganizada, causando a insatisfação da juventude e comerciantes locais que viam nesses eventos uma forma de complementação de renda.

A população da área rural e regiões periféricas do município, que em grande parte, é constituída por pessoas em situação de risco e vulnerabilidade econômica e social, clama por atendimento nos mais diversos aspectos, principalmente no que diz respeito a saúde e assistência social.

 A coisa beira o colapso, com moradores indignados, protestos de classes, que culminaram com os professores na porta da Prefeitura no último dia 21, reivindicando direitos, preocupação e insatisfação com a falta de ação, o não cumprimento das promessas de campanha e a precariedade no atendimento dos serviços básicos. As denúncias em forma de desabafo, surgem de todas as partes e classes sociais, o caos na saúde, a tão divulgada proposta de governo que não saiu do papel. Postura fria e insensível por parte da administração, notícias dão conta de que salários de funcionários e fornecedores estão em atraso, também o favorecimento a parentes, através de cargos de confiança, são algumas das queixas escancaradas nas redes sociais.

Apenas para ilustrar em partes os diversos equívocos que a atual administração municipal praticou, valemo-nos apenas de alguns registros do próprio TSE (Tribunal Superior Eleitoral), deixando de lado as promessas em carro de som e palanques, não iremos adentrar nas promessas do tipo: “Barracas com frutas frescas e sucos para os garis, salários dignos, prestação de contas mensal afixada em praça pública de todos os recursos que entram e saem da prefeitura”, dentre tantos outros palavreados demagogos registrados em campanha. No Endereço eletrônico do TSE: http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/#/candidato/2016/2/37737/50000010201/propostas, o leitor poderá conferir que absolutamente nenhuma das principais propostas do atual prefeito saiu do papel. Destacamos aqui ALGUMAS PROMESSAS:   “Todo cidadão tem o direito de participar da administração pública. Por tal razão, Beto vai colocar a Prefeitura Municipal à disposição de qualquer cidadão que queira contribuir para o sucesso da administração. Vamos promover um governo participativo e completamente transparente. Ações para uma gestão acessível: Prefeito atendendo as pessoas em qualquer lugar, seja na prefeitura, na rua, na feira e em casa; Gabinete do Prefeito toda segunda-feira em Caraíbas; toda semana o prefeito visitará duas comunidades rurais; será criada a ouvidoria municipal, para que as pessoas possam fazer suas reclamações, sem sofrer perseguição”.

O que se percebe não é de longe parecido com as PROMESSAS. Após as desilusões, a população, em sua maioria, até deixou de procurar a prefeitura e demais órgãos, diminuindo significativamente o fluxo de pessoas em busca de serviços, benefícios ou até mesmo de algum tipo de ajuda. Esse, segundo especialistas políticos, é um dos piores sinais para um gestor. “Quando o povo se afasta, diminui o assédio e aumenta a rejeição”.

Continuando com as PROMESSAS DO GESTOR: “Ações para uma gestão Transparente:  Divulgação de contas por meio eletrônico: a prefeitura irá publicar o dinheiro que entrar no cofre público, assim como no que será gasto; Prestação de contas mensalmente na câmara, pelos Secretários Municipais;  Divulgação de atas e decisões na internet para aqueles que não puderem acompanhar uma reunião de prestação de contas;  Colocar nos órgãos públicos caixas de sugestões e críticas, além, é claro, de disponibilizar e-mail e telefone da ouvidoria municipal para que todos possam se expressar e ter sua identidade preservada; Vamos colocar para funcionar os conselhos e comissões municipais, que passarão a ter suas reuniões divulgadas para todos”. Nada disso se percebeu, pelo menos no primeiro ano de gestão.

“Construção do Aterro Sanitário Municipal para que o lixo de Paramirim não seja mais despejado de qualquer jeito; Requalificar o balneário do rio, mantendo-o sempre limpo, além da construção de sanitários públicos adequados; disciplinar o estacionamento, arborizar o caminho para o rio; Requalificar o Balneário da Barragem do Zabumbão, buscando junto aos órgãos ambientais a licença para construção da estrutura adequada para dar suporte ao  banhista na barragem;  Cuidar para que todo cidadão tenha moradia digna, oferecendo serviço de arquitetura para a população de forma que todos possam construir suas moradias de maneira adequada; Promover melhoria habitacional para os que não disponham de condições financeiras para tal fim; Instituir o transporte público urbano gratuito na sede do município, por meio de um micro-ônibus; Construir calçadões arborizados e com canteiros de flores nas avenidas Dr Nelson e Centenário; Instalar jardineiras aéreas na Avenida Aurélio Rocha;  Nas ruas mais estreitas vamos plantar flores em canteiros ou grandes caqueiros;  Criar áreas de estar com árvores na Espanha e Coladinhas; Garantir uma cidade sempre limpa com ações como a instalação de lixeiras nas praças e avenidas; fornecer farda, calçado e pagar salário digno aos garis; criação da moto de limpeza rápida, circulando o dia todo na cidade; Implantar a coleta de lixo nas comunidades rurais para acabar com o lixo que invade pastos com o vento; Trazer para Paramirim o que há de mais moderno em termos de agricultura, a agricultura sintrópica, que além de produzir sem agrotóxicos, preserva o ambiente, refloresta a mata e aumenta a produtividade; Fomentar novas possibilidades de produção através da distribuição de mudas de gliricídia, palma, leucena e mandacaru sem espinho; distribuição de amostras de galinha  gigante; distribuição de sementes de sorgo e milheto para bancos de proteínas; implantação de canteiro econômico; ensinar como fazer bloco mineral; incentivar criação de cabras e ovelhas; desenvolver a criação de abelhas, incluindo ração; incentivar o reflorestamento para extração de madeira; incentivar criação de peixes e assegurar beneficiamento para venda fora do município; criação da casa do agricultor, a fim de dar orientações técnicas e sobre crédito bancário; criar um centro de treinamento como o de (Oeiras-PI); expandir a Escola Família Agrícola para um curso de nível médio de técnico agrícola; criar o treinamento de práticas de convivência com a seca; criar cursos de pedreiro, carpinteiro, encanador e eletricista; Criar a Defensoria Pública Municipal; Valorizar o professor através do investimento do dinheiro do Fundeb, na criação da casa do professor com estrutura plena; fornecer notebook para professores para que estes possam ter melhores condições de trabalho;  instituir prêmio de incentivo aos professores e escolas da rede municipal por cumprimento de metas; possibilitar a qualificação dos mesmos”. Moradores e servidores com a palavra! Será que foram cumpridas tais PROMESSAS?

SAÚDE: “Concurso público para agentes de saúde e técnicos de enfermagem, hospital referência em algumas especialidades, multicentro em Paramirim; Promoção de saúde para todos através do Programa Superidade, nutricionista e educador físico para todos, Hortas Medicinais, saúde na escola, saúde do trabalhador. Saúde mental, psicologia; Cuidado com os funcionários do município com farda para garis, Plano de Saúde para Funcionários, Cursos de capacitação, Concurso público e Plano de Carreira”. “Hoje isso acontecer, seria um verdadeiro milagre”, disse um dos moradores.

CARAÍBAS – “Em Caraíbas será instalada uma subprefeitura, onde o prefeito estará presente toda segunda-feira e, se necessário, um turno à tarde outro dia da semana; … que seja instalado um posto de banco em Caraíbas, com atendimento de, pelo menos, duas vezes por semana, além de lutar para que haja uma agência lotérica com capacidade de fazer depósito, transferência, saque e pagamento bancário; O campo de futebol de Caraíbas será gramado; Caraíbas terá sua própria cooperativa de coleta e reciclagem de lixo”. Com a palavra a população dessa comunidade e região.

Além de descumprir, ou sequer manifestar a respeito de cada uma das suas promessas, a atual gestão ignora diversas denúncias. Evidencia-se a revolta da população com a falta de respeito no atendimento ao cidadão, que, na sede da prefeitura dificilmente encontra o gestor. Decepção dos contribuintes com a falta de compromisso com a solução dos problemas que afligem as comunidades.  “Esse cidadão que hoje está na cadeira de prefeito, está destruindo não somente as esperanças da gente que acreditava na realização das obras que necessitamos, mas destrói também os sonhos dos paramirinhenses”. Declarou um dos moradores que, temendo represálias, prefere o anonimato.

Foram nomeados para cargos de “confiança” gente repatriada dos mais diversos cantos do Brasil, talvez esse fenômeno explique em partes os desencontros do governo. Nomear quem desconhece suas atividades, a realidade local, as necessidades e os verdadeiros anseios de um povo, é atirar no pé, assumindo os riscos do fracasso.  Mas, por questões mais profundas da chefia da Administração Pública municipal, envolvendo interesses explícitos, prefere… ter um time que “faz gol contra”. Melhor seria jogar sozinho! … Lamentável constatarmos fatos que entristecem a comunidade, porém, esse é o dever da imprensa, levar a verdade dos acontecimentos.

Em tempos de tecnologia digital online, todo e qualquer cidadão pode ter livre acesso as informações sobre as contas e os recursos que são arrecadados pelas prefeituras municipais. Sabemos que, além das arrecadações próprias, como o IPTU e ISS, os municípios possuem dezenas de fontes de repasses dos governos estadual e federal. Tendo no FPM – Fundo de Participação dos Municípios, sua maior fonte de renda (para a maioria dos os municípios do interior nordestino). Sem citar as arrecadações que chegam através de convênios, emendas parlamentares, etc. Acesse o portal do Tesouro Nacional: http://www.tesourotransparente.gov.br/ckan/dataset/transferencias-obrigatorias-da-uniao-por-municipio/resource/d69ff32a-6681-4114-81f0-233bb6b17f58 , e se surpreenda com os valores repassados a Paramirim ao longo do ano que se encerra.

Compartilhe... Share on Facebook116Share on Google+0Tweet about this on TwitterPin on Pinterest0Share on LinkedIn0Print this pageEmail this to someone