'Espero que ela tenha sido a última', diz pai de adolescente morta por ex-namorado

Do: Correio24horas

Ex-namorado é suspeito de matar adolescente de 15 anos por não aceitar fim do relacionamento  (Foto: Reprodução)

No pátio do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IMLNR), na manhã desta terça-feira (18), andando de um lado para o outro, o comerciante Márcio da Paixão, 39 anos, não escondia a tristeza. O olhar perdido denunciava a perda. Momentos antes do processo de reconhecimento do corpo de sua filha - a adolescente Andreza Victória Santana da Paixão, 15 anos, morta pelo ex-namorado, - a ficha parecia não ter caído. O crime aconteceu na noite desta segunda-feira (17). 

 
Ao jornal Correio da Bahia, o pai da estudante disse que não sabia do relacionamento de dois anos que Victória havia mantido com o suspeito, Adriel Montenegro dos Santos, 21. Para Márcio, que criava a primogênita desde que se separou da mãe da menina, há 13 anos, Adriel é o responsável pelo crime. "Ele é um rapaz de má índole. Sequestrou, se apossou, se achou dono e matou minha filha, uma moça linda", disse, acrescentando que não desconfiava do relacionamento da garota. 
 
"Conversamos na semana passada, perguntei para ela se existia alguém porque, claro, ela era uma moça linda. Eu também já fui jovem, sei como é, mas ela me garantiu que não", pontua. Márcio lembrou da relação de companheirismo que tinha com a filha e afirmou desejo de justiça. 
 
"Eu espero que ela tenha sido a última. Que não seja mais um caso impune nessa Salvador violenta, que ela não tenha morrido em vão. E ele, que pague pelo que fez", salientou. O comerciante comentou o fato de Adriel ser filho de um Policial Militar. "Ele podia ter seguido o exemplo do pai, que eu imagino que seja um homem de bem, por ter a profissão que tem. Mas ele escolheu esse caminho aí, tirou minha filha  de mim para sempre", lamenta. 
 
Victória era a única filha mulher tanto do pai quanto da mãe, que precisou ser hospitalizada ao receber a notícia do falecimento da adolescente. Estudante da 7ª série do Colégio Rotary, na Ladeira do Abaeté, conforme familiares, a estudante tinha muitos amigos e costumava estar rodeada deles. "Ela tinha amigos de todos os jeitos. Rico, pobre, alto, baixo... Era muito querida", pontuou Márcio.
 
Ciúmes
Na manhã desta terça-feira, em frente à casa onde a garota morava com o pai, a madrasta e o irmão mais novo, uma criança de dois anos, no Alto do Coqueirinho, também em Itapuã, cerca de 40 pessoas se reuniram e lamentaram a morte da estudante. Amparada por outros jovens, a melhor amiga da vítima, uma adolescente de 16 anos, não segurou o choro. "Minha linda, meu amorzinho, o amor da minha vida", disse à reportagem.
 
Ao CORREIO, a menina relatou que Victória e Adriel mantiveram um relacionamento por dois anos, sem a permissão dos pais. "Ela terminou há muitos meses já. Ele era muito ciumento, possessivo e não aceitava ela ter muitos amigos, ela ser tão bonita", disse a amiga.
 
Ainda conforme os amigos da vítima, o namoro foi tranquilo nos primeiros meses até que o suspeito passou a demonstrar um comportamento diferente, o que acabou assustando Andreza. "Eu não entendo o porquê dela ter ido à casa dele, ele com certeza atraiu ela chamando para conversar. Apesar de tudo, ela gostava muito dele", completou. Os jovens disseram, ainda, que Adriel não era próximo aos amigos de Victória.
 
Crime
De acordo com as investigações da Polícia Civil, o crime aconteceu na noite desta segunda-feira (17), na Rua do Bispo, em Nova Brasília de Itapuã, e, desde então, Adriel não é visto no bairro. A polícia afirma que eles namoraram por dois anos, mas que Adriel não aceitava o fim do relacionamento. Andreza foi vista com vida pela última vez quando deixou o colégio para ir até a casa do ex-namorado, por volta das 17h30.  "Eu estava voltando da caminhada que faço diariamente na orla, quando vizinhos meus ligaram avisando. Foi um choque para mim", lembrou Márcio.
 
O pai de Adriel, que é PM, foi quem socorreu Victória depois que ela foi baleada na varanda da casa. Em depoimento à polícia, o pai de Adriel disse que não sabe onde o filho está e qual a arma que ele usou. A varanda da casa onde estudante foi encontrada ferida foi aparentemente lavada, conforme a polícia. 
 
Receosos, os vizinhos disseram que nunca pensaram que Adriel seria capaz de matar a jovem.  O suspeito, que está sendo procurado pela polícia, foi preso em junho de 2014 por porte ilegal de arma. 
 
A 1ª Delegacia de Homicídios/Atlântico, que investiga o caso, pedirá à Justiça a prisão temporária de Adriel. Andreza Victória vai ser enterrada nesta terça, às 16h, no Cemitério Bosque da Paz.

Comentários

*