Imprensa internacional reproduz acusações contra Temer e caos no poder central do Brasil

A imprensa internacional rapidamente reproduziu a denúncia de que presidente Michel Temer foi gravado em áudio pelo dono da JBS, Joesley Batista, dando aval para o pagamento de uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha

Acompanhe as principais notícias:

Reuters

A agência de notícias americana disse que, segundo reportagem do jornal O Globo, executivo da JBS gravou o presidente do Brasil discutindo “dinheiro do silêncio”.  A nota aponta que a conversa foi gravada secretamente e que representantes de Michel Temer não puderam ser contatados imediatamente para comentários. Em uma segunda matéria, a agência destaca que o presidente nega as acusações.

 

El Clarin

(Reprodução/Reprodução)

O jornal argentino chama atenção para a corrupção no Brasil e destaca que Michel Temer foi gravado dando aval a suborno pelo silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. O jornal apontou que na gravação realizada pelo proprietário da JBS o presidente pede que ele “cuide da questão” do ex-parlamentar.

 

Bloomberg

(Reprodução/Reprodução)

A também americana Bloomberg noticiou que a denuncia de que o presidente brasileiro está envolvido em esquema de acobertamento. O jornal apontou que as alegações são o mais recente desdobramento da Lava Jato, que envolveu muitas das empresas e as elites políticas do Brasil, incluindo algumas no próprio partido do presidente e que Temer repetidamente negou qualquer irregularidade.

 

TN

(Reprodução/Reprodução)

O portal argentino destaca que áudio de presidente compactuando com suborno é um “escândalo no Brasil” e aponta que acusações deixam Michel Temer “a beira do abismo”.

 

BBC

(Reprodução/Reprodução)

A rede inglesa BBC publicou que o presidente brasileiro negou ter aprovado o pagamento de propina para silenciar uma possível testemunha de corrupção.

 

El Mercurio

(Reprodução/Reprodução)

O site de notícias chileno disse que o presidente brasileiro foi gravado “dando luz verde” para suborno por silêncio de Eduardo Cunha, “principal responsável pelo impeachment”da ex-presidente Dilma Rousseff.

 

Sputnik

 

A agência russa de notícias destacou que Joesley Batista, CEO da JBS, disse que fazia parte de um esquema para comprar o silêncio do deputado federal “desonrado”, Eduardo Cunha que envolveu também o presidente brasileiro Michel Temer. A agência diz que a gravação supostamente prova que Temer encorajou um de seus subordinados, a “resolver” a questão.

Comentários

*