A cada nova atitude, aflora e se amplia a insensibilidade de um gestor que em menos de um ano, destruiu a maioria das esperanças de um povo, que acreditava ter “escolhido o cara certo para alavancar a prosperidade e dar novo ânimo ao progresso de Livramento de Nossa Senhora”. Triste constatar que o novo gestor, insiste na clausura do seu egoísmo político/administrativo, aplicando a arrogância nas ações como governante e ignorando o clamor das ruas, das comunidades, do povo que o elegeu.

Não chega a ser surpresa o anuncio repleto de estardalhaço, convocando para uma mega festa, com direito a trio elétrico de última geração, banda e muito foguete nos dias 05 e 06 de outubro, cuja programação, inclui desfile do trio elétrico e banda pela principal avenida da cidade. Em plena crise financeira, que devasta a região, o prefeito resolve promover gastos com festa, estando inclusive o município em “Situação de Emergência”, em virtude do longo período de estiagem que castiga os moradores. Não há dinheiro suficiente para assistir o imenso número de famílias necessitadas de acolhimento no que diz respeito à segurança alimentar, é crítica a escassez de água em diversos povoados do município, porém, no entender da administração, há dinheiro para a festa.

Está lá no Diário Oficial, para que todos possam comprovar a situação de emergência, que foi publicada. “Livramento de Nossa Senhora sofre com a escassez das chuvas tem comprometido a regularidade no fornecimento de água potável e provocado graves prejuízos às atividades produtivas, principalmente à agricultura e à pecuária”. No entanto, o Mega Trio Elétrico e a banda Patchanka, contratada por R$ 43.000,00 (quarenta e três mil reais) prometem muito axé e folia. O mais grave de tudo isso, segundo informações de fontes seguras, é o risco de que os recursos a serem utilizados para bancar mais esse capricho de um gestor, podem ser oriundos dos fundos da “Assistência Social”. O Que? Dinheiro Federal do SUAS? Sendo utilizado para bancar festa de largo? Inconcebível! “EXTRATO DO CONTRATO Nº 0335/2017 – Processo Administrativo n° 0333/2017, Inexigibilidade n° 064/2017. Contratante: Prefeitura Municipal de Livramento de Nossa Senhora, CNPJ nº 13.674.817/0004-97. Contratada: BARÃO PRODUÇÕES MUSICAIS E ARTISTAS LTDA-ME, inscrita no CNPJ 96.744.370/0001-02, para apresentação de show musical com a banda “PATCHANKA”, objetivando os festejos comemorativos ao aniversário da cidade de Livramento de Nossa Senhora, no dia 06 de outubro. Valor da Contratação: R$ 43.000,00 (Quarenta e três mil reais). Vigência: 26/09/2017 a 31/10/2017. Livramento de Nossa Senhora, 26 de setembro 2017”. (Esse se refere apenas ao contrato da Banda). Diante do iminente risco, cabe inclusive o ALERTA AO MINISTÉRIO PÚBLICO, que possui legitimidade para solicitar informações detalhadas sobre esse e os demais contratos do evento em questão, bem como, a origem dos recursos para tais gastos.

A preocupação se dá, por existir o risco de fato. Inclusive no próprio anuncio veiculado na mídia, consta da programação, que “dia 05/10, acontecerá apresentações culturais com os Grupos de Convivência e Fortalecimento de Vínculos do CRAS”. Geralmente é essa a “desculpa que confunde fiscalizadores das contas públicas”. Isso supostamente pode estar ocorrendo em Livramento como forma de disfarce, para bancar a festa com o dinheiro federal do SUAS e ainda utilizar grupos de convivência e usuários do CRAS, como “escudos para legitimar o Ilícito”. Vale ressaltar que para aplicar os recursos repassados pelo MDS, os municípios devem observar as seguintes normativas:  As normas do Direito Financeiro; Lei nº 8.666/1993; A Norma Operacional Básica do SUAS – NOB/SUAS (Resolução CNAS nº 33/2012; A Tipificação Nacional de Serviços socioassistenciais (Resolução CNAS nº 109/2009);  A relação direta dos serviços adquiridos com a “finalidade” estabelecida pela União e quanto ao cumprimento do “objetivo”; Os Cadernos de Orientações (CRAS, CREAS, Centro POP, IGDSUAS, etc.); As orientações no site do MDS. Em nenhum momento se percebe a possibilidade de utilização de tais recursos, mesmo que de forma indireta, para eventos festivos como aniversário da cidade.

Autoridades consultadas, jornalistas e até gestores municipais, são unanimes em afirmarem que não são favoráveis a uma atitude no mínimo insensata e descabida. Afinal, o próprio prefeito de Livramento está ciente de que tem que demitir, enxugar gastos, cortar na pele, para que se consiga conduzir o município, ofertando os serviços assegurados ao cidadão. Espera-se que, se o gestor não rever tal atitude, os senhores vereadores, as autoridades o façam enxergar a sua birra, apontem a sua visão limitada e distorcida. Nada contra as festas, manifestações culturais e folclóricas, o lazer que também é um direito da população. Porém, tudo deve ser praticado dentro da legalidade, da razoabilidade e pelo bem da população.

Sem dúvidas questionável o argumento utilizado por alguns “assessores da atual gestão”, que asseguram ser esta “uma oportunidade de geração de emprego e renda, de aquecimento da economia”, ora, se num período de nove meses, o novo prefeito de Livramento de Nossa Senhora não conseguiu gerar avanços significativos, se a agricultura corre risco de colapso, o comércio do município segue em constante desaceleração, desemprego que se agiganta a cada dia, enfim, seria com a realização de uma festa de aniversário da cidade que a administração conseguiria reverter a situação econômica? Esse “evento na prática, servirá mais para palanque de políticos convidados, do que para a diversão popular “. E o pior, em se confirmando que a fonte dos recursos são os fundos do SUAS, além de cometer o crime de desvio de finalidade, significaria retirar literalmente o pão da boca de quem tem fome para armar o circo com palanque para “convidados” que certamente estarão “visitando Livramento”.

Em suma, considerando a difícil situação de toda a região, fica óbvio que a realização de eventos festivos custeados com recursos públicos somente é justificável nas hipóteses de incremento de receitas ou de interesse público relevante; sendo assim, torna-se contraditória a realização de eventos festivos quando da decretação do estado de emergência, sem falar que o município deve atentar para princípios da economicidade

Diante de tantas críticas, espera-se o amadurecimento administrativo e que se consolide uma nova postura ética, pois não se justifica o fato de se gastar recursos públicos em festas sem atender os princípios da razoabilidade e da economicidade”. Apesar de ser uma medida tida como “antipática”, seria correta uma comemoração simbólica, afinal, cabe ao gestor as decisões mais acertadas, ainda que aplicadas com rigor.

Compartilhe... Share on Facebook311Share on Google+0Tweet about this on TwitterPin on Pinterest0Share on LinkedIn0Print this pageEmail this to someone